domingo, 3 de agosto de 2014

Qual é o meu Destino? A Astrologia pode Ajudar?

A Tradição Grega Arcaica nos conta que o rumo ou destino da vida de cada indivíduo da cidade era pautada pelas influências astrológicas.

A Astrologia na Grécia Arcaica, determinava desde o nascimento do indivíduo,  quais os astros regiam a sua vida, aos quais o destino dele seria diretamente vinculado. A começar pela escolha do nome deste indivíduo que era escolhido da seguinte forma:

Naquela época existia o Oráculo de Delphos, onde ficava o Tempĺo de Apolo, o Deus da Luz e da Beleza. Neste templo ficava a Pitonisa que representava a voz do Deus.

Se "consultando" com o oráculo, a criança recebia um nome de acordo com as influências astrológicas do momento do seu nascimento.

Cada Astro também representava potências divinas que concediam certos dotes e virtudes ou talentos a criança, eram estes talentos que deveriam ser trabalhados por toda a vida deste indivíduo.

Na passagem da infância para a vida adulta, o jovem deveria apresentar-se perante a cidade e fazer um discurso decor (que a raiz da palavra vem de coração), explicando quais eram seus talentos e de que forma eles seriam colocados a serviço da cidade de forma altruísta.

Ao contrário da Grécia Arcaica ou até mesmo a Grécia Clássica, que é o tempo em que viveu Sócrates e Platão, em nossos dias atuais, nascemos, vivemos e morremos sem ter a menor noção de qual é o nosso destino a cumprir e qual a nossa missão nesta vida.

Muito se deve é claro aos nossos governantes que já não servem nem protegem a muito tempo, apenas se dedicando a roubar e usurpar para si próprio. Mas isto não quer dizer que não possamos refletir e aprofundar quais são nossos talentos e a qual Deus nos assemelhamos, de quem somos filhos astrais.

  • A Apolo se nos atrai a beleza e a verdade.
  • A Athena se gostamos da sabedoria.
  • A Arthemis se somos identificados com a Natureza e suas expressões.
  • A Ares se temos o ímpeto guerreiro de vontade e transposição de obstáculos.
  • A Dionísio se temos a predisposição à alegria e desprendimento.
  • A Afrodite se somos dedicados ao amor e a afeição aos demais.


Enfim, vale a pena olhar para traz, para os nossos antepassados, e buscar o que de mais belo e verdadeiro podemos aprender com eles.

Tags

Filosofia Esoterismo Carlos Castaneda Buda História Ocultismo Toltecas Artes Marciais Ciência Política Don Juan de Matus Religião Budismo Consciência Educação Física Quântica Inteligência Jedi Mestres de Sabedoria Mistério Star Wars Zen Budismo A erva do diabo Albert Einstein Artes Culpa Deus Emoções Energia Gregos Hinduísmo Intuição Jesus Liberdade Maya Medos Natureza Platão Psicologia Renascença Renascimento Sith Tempo Teorias de Conspiração Universo Vibrações Virtudes Vontade enfrentar os medos iChing medo Alcorão Amit Goswami Amizade Apolônio de Tiana Asceta Astrologia Baghavad Gita Bardo Thodol Bem Bom Budhi Bíblia Carlos Castaneda expansão da consciência Carma Cortesia Cosmos Criança Cristianismo Céu Darth Vader Desinformação Deuses Dhamaphada Discípulo Diálogo Ecologia Escola de mistérios Esparta Espreita Espírito Fadas Faraó Fogo Física da Alma Guerreiro HPB Helena Petrovna Blavatsky Hierofantes Humor Idealismo Inferno Krishna Linhas de Força Livros Logos Magia Maomé Matrix Mecânica Quântica Michel Echenique Isasa Mitos Moral Morte Música O fogo interior Orfeu Ovo de Luz Pacto Pirâmides Poluição Problemas Profecia Psicossomatica Reis Romanos Sabedoria Saltimbancos Samurai Saúde Sebos Sentimentos Ser magoado Skywalker Sol Sábios Sócrates Terra Tradição Triângulo Ventos Astrais Violência a voz do silêncio aceitação afrodite ansiedade apolo ares arthemis arthemisa atena athena coragem destino deuses gregos dionísio doutrina secreta espartanos feliz dia das mães ficar magoado ideais idéias krishnamurti lu andarilho lu conduta marte mágoas o poder do silêncio o presente da águia objetivos os 300 os 300 de esparta polaridade consciência portões de fogo provérbio raiva reencarnação silêncio stress teoria quântica termópilas