segunda-feira, 20 de abril de 2009

A Babilônia vai cair...

Em tempos de alta tecnologia muitas vezes nos vemos maravilhados ante tantas facilidades e confortos proporcionados pelo admirável mundo novo proporcionado pela "onisciente" ciência moderna.

Mas se tudo está tão evoluído em comparação as civilizações antigas, por que será que mais do que nunca hoje nos sentimos angustiados e ansiosos. Esta ânsia nos faz procurar cada vez mais segurança e conforto, ter mais dinheiro guardado, mais proteção, grades, alarmes, mais roupas da moda etc... Existe um velho ditado que diz: "Se você notou que está se enterrando em um buraco, pare de cavar", creio que este é exatamente o momento onde nos encontramos.

Dia após dia as pessoas começam a ter consciência que este crescimento tecnológico e material é insustentável, por estar destruindo a natureza, por estar nos afastando uns dos outros e criando um individualismo enorme.

Os antigos filósofos e sábios tinham uma idéia um pouco diferente sobre a evolução, a idéia que tinham era de que o crescimento tecnico e material deve estar equilibrado ao crescimento moral, crescimento moral que garante a idéia da união das pessoas como irmãos e filhos do criador, que incentiva o espírito de generosidade e compaixão e assim por diante.

É uma perspectiva sombria pensarmos que continuando na mesma linha de atuação possivelmente nossos netos não encontrarão bosques, um mar limpo, ar puro e o que é pior estarão em um mundo onde cada um é por si, apartado da natureza e dos outros seres humanos.

O que acontece é como aquela parábola da rã que nos conta o seguinte:

Se colocarmos uma rã em uma panela de água fervendo ela pula para fora na mesma hora. Porém se colocarmos ela na água fria e formos esquentando aos poucos ela provavelmente vai morrer cozida na água fervendo.

Um plano sinistro tem sido posto em prática e estamos aceitando pouco a pouco uma situação que se tivesse sido implantada de uma hora para outra, com certeza teriam acontecido revoluções e protestos contrários a isso.

Estamos em uma nova idade média, estamos na era de aquário onde o coração dos homens tem uma tendência natural a esfriar. Onde não é colocada a luz por inteligência e vontade dos homens, automaticamente fica a escuridão.

Sejamos luzes, sejamos ativos, sejamos humanos, sejamos inteligentes.

A!

Tags

Filosofia Esoterismo Carlos Castaneda Buda História Ocultismo Toltecas Artes Marciais Ciência Política Don Juan de Matus Religião Budismo Consciência Educação Física Quântica Inteligência Jedi Mestres de Sabedoria Mistério Star Wars Zen Budismo A erva do diabo Albert Einstein Artes Culpa Deus Emoções Energia Gregos Hinduísmo Intuição Jesus Liberdade Maya Medos Natureza Platão Psicologia Renascença Renascimento Sith Tempo Teorias de Conspiração Universo Vibrações Virtudes Vontade enfrentar os medos iChing medo Alcorão Amit Goswami Amizade Apolônio de Tiana Asceta Astrologia Baghavad Gita Bardo Thodol Bem Bom Budhi Bíblia Carlos Castaneda expansão da consciência Carma Cortesia Cosmos Criança Cristianismo Céu Darth Vader Desinformação Deuses Dhamaphada Discípulo Diálogo Ecologia Escola de mistérios Esparta Espreita Espírito Fadas Faraó Fogo Física da Alma Guerreiro HPB Helena Petrovna Blavatsky Hierofantes Humor Idealismo Inferno Krishna Linhas de Força Livros Logos Magia Maomé Matrix Mecânica Quântica Michel Echenique Isasa Mitos Moral Morte Música O fogo interior Orfeu Ovo de Luz Pacto Pirâmides Poluição Problemas Profecia Psicossomatica Reis Romanos Sabedoria Saltimbancos Samurai Saúde Sebos Sentimentos Ser magoado Skywalker Sol Sábios Sócrates Terra Tradição Triângulo Ventos Astrais Violência a voz do silêncio aceitação afrodite ansiedade apolo ares arthemis arthemisa atena athena coragem destino deuses gregos dionísio doutrina secreta espartanos feliz dia das mães ficar magoado ideais idéias krishnamurti lu andarilho lu conduta marte mágoas o poder do silêncio o presente da águia objetivos os 300 os 300 de esparta polaridade consciência portões de fogo provérbio raiva reencarnação silêncio stress teoria quântica termópilas